CASAS ONDE HÁ VIDA – ATOS 2:46-47

Os lares eram muito importantes como fonte de vida para os que não conheciam a Jesus nos tempos da igreja primitva. O livro de Atos dos Apóstolos nos dá alguns relatos de como os lares cristão eram importantes para o crescimento da igreja da época: “... partiam pão de casa em casa e tomavam as suas refeições com alegria e singeleza de coração, louvando a Deus e contando com a simpatia de todo o povo. Enquanto isso, acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos” Atos 2: 46,47. O crescimento da igreja, segundo esse texto, era simplesmente consequencia do estilo de vida manifesto nos lares. Olhe o que os não cristãos podiam ver quando olhavam para o estilo de vida familiar da igreja: Primeiro, Atos 2:45 diz que “Vendiam as suas propriedades e bens, distribuindo o produto entre todos, à medida que alguém tinha necessidade”. Isso significa que uns cuidavam dos outros nas necessidades da igreja, porisso “nenhum necessitado havia entre eles” Atos 4:34. Segundo, Partiam o pão de casa em casa, significando que havia unidade e comunhão visíveis entre eles. Atos 4:32 diz que “Da multidão dos que creram era um o coração e a alma...”
Em terceiro lugar, havia alegria e singeleza de coração,o que resultava em louvor a Deus e conquista da simpatia dos não-cristãos. Claro, com esse estilo de vida, a presença, o poder e a graça de Deus se manifestavam: “Com grande poder, os apóstolos davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e em todos eles havia abundante graca, Atos 4:33”. Porisso o texto relata que o crescimento da igreja era o resultado natural desse estilo de vida: o Senhor acrescentava todos os dias os que iam sendo salvos.
Fundamentado sobre esse ensino, estamos começando a establecer os grupos nos lares, esperando que a ICC se torne um modelo como a igreja primitiva. Nossa visão é que todos devem ser membros de um grupo familiar, onde desfrutarão da comunhão, da oração e do partir do pão. Cremos que se colocarmos os princípios de Deus em ação, teremos os mesmos resultados que houve na igreja primitiva. A participação no grupo, entretanto, deve vir do coração de cada um, porisso a decisão é exclusiva de cada um, como era no princípio. Participar da comunhão nos lares deve ser com alegria e não com peso no coração.
Pr. Joao Carlos

NENHUMA CONDENAÇÃO - Romans 8:1

A Carta de Paulo aos Romanos é um resumo das maiores doutrinas cristãs. A partir do capítulo 1:18 até o capítulo 8 ela trata do pecado, da justificação e da santificação. No capítulo 8:1 lemos a seguinte afirmação: “Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus”. Se não existe nenhuma condenação sobre os crentes, é porque eles foram justificados. Segundo a doutrina do pecado que se encontra no capítulo 1:18 até o 3:21, não há nenhum justo, nenhum sequer, cap. 3:10. E o pecado que torna injustos não é sòmente aquilo de errado que fazemos ou deixamos de fazer, mas é também a natureza pecaminosa com a qual nascemos. Isso significa que não temos, por nós mesmo, nenhuma chance perante Deus.
Então como Deus declara que já não há nenhuma condenação sobre nós? Isso acontece porque é o próprio Deus que nos justifica. Justificação é o ato de Deus declarar alguém justo sem seus próprios merecimentos. Aí então voce pode pensar: isso não é certo! É fácil demais e Deus se torna injusto. Bom, o problema é que voce seja declarado justo, alguém teve que tomar seu lugar, viver uma vida sen nenhum pecado, e ainda no final morrer pelos seus pecados para que voce pudesse ser justificado. Voce é declarado justo porque o preço da justiça foi pago. E o preço foi tão alto que custou a vida de Jesus. Voce é justificado e fica livre de toda condenação.
Agora, como essa justificação é aplicada em teu favor? 1) Rom 3:24 diz: “sendo justificados gratuitamente, por sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus”. Voce é justificado pela graça... graça é um favor que voce não merece. Não é justificado por alguma coisa que voce faz. 2) Voce toma posse da graça pela fé Rom 3:25,26: “a quem Deus propôs, no seu sangue, como propiciação, mediante a fé, para manifestar a sua justiça, por ter Deus, na sua tolerância, deixado impunes os pecados anteriormente cometidos; tendo em vista a manifestação da sua justiça no tempo presente, para ele mesmo ser justo e o justificador daquele que tem fé em Jesus”.
E uma vez justificados pela graça, a qual tomamos posse por meia da fé, a Bíblia diz: “Justificados, pois, mediante a fé, temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo” Rom 5:1. Vamos desfrutar dessa paz em sua plenitude.
Pr. Joao Carlos

EU SOU A VIDEIRA, VÓS, OS RAMOS – JOAO 15:5

O capítulo 15 do evangelho de João fala de nossa identidade, quem somos em Cristo. Fala também do que acontece como resultado do que somos. O texto ensina que, aquilo que somos é demonstrado pelos resultados visíveis em nossa vida. Preste atenção na figura de linguagem usada por Jesus: ele é a videira verdadeira e nós somos os ramos dessa videira. Isso tem algumas implicações que o texto discute: 1) Toda videira necessita de um agricultor, o Pai é o agricultor. 2) O agricultor cuida da videira para que ela atinga os objetivos da sua existencia, que é a produção dos frutos. Assim sendo, ele corta os galhos infrutíferos, para que os que produzem fruto tenham ainda mais força. 3) O resultado de muitos frutos é a glória do agricultor, o Pai.
O que isso significa para nós? 1) Não somos um fim em nós mesmos, nem existimos para a nossa prórpia glória. Isso significa quer estamos neste mundo com o propósito de glorifica o Pai através dos frutos que produzimos. Que frutos são esses? Podemos dividir os frutos em dois grupos: primeiro os frutos do Espírito, que são na verdade expressão do caráter de Deus em nós. O fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade,
mansidão, domínio próprio. Essa lista está em Gálatas 5:22,23. O fruto do Espírito é a expressão de uma vida espiritual saudável. O Segundo tipo de fruto é o fruto em si mesmo, no caso da parreira, a uva. Esse fruto é aquele pelo qual a espécie é continuada. É exatamente desse fruto que o capítulo no qual estamos meditando se refere. Isso significa que nossos frutos são outras pessoas que devemos levar a Jesus. Se estamos em Jesus, vamos produzir a vida dele em outras pessoas.
Quais são algumas conclusões do assunto acima? 1) Existimos para a glória de Deus, e sua glória consiste em que ganhemos pessoas para ele. Somos um galho frutífero se fizermos isso. Quando o agricultor nos encontra fazendo isso, ele limpa para que possamos produzir mais fruto. Se estivermos infrutíferos, ele corta e lan;ca no fogo. Note que o agricultor é o prórpio Deus, é Ele quem limpa ou corta fora. Porisso: CUIDADO! SUA VIDA PODE ESTAR EM RISCO!
Pastor Joao Carlos

DESCANSAR EM DEUS – Mt 6:25,26

A ansiedade é um dos maiores inimigos do descanso. Ela não vem sòmente com preocupações fúteis, na maioria das vezes vem através da preocupações com coisas sérias e necessárias à vida. Veja como o texto bíblico abaixo relaciona a preocupação com coisas indispensáveis para a nossa vida: “ Por isso, vos digo: não andeis ansiosos pela vossa vida, quanto ao que haveis de comer ou beber; nem pelo vosso corpo, quanto ao que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o alimento, e o corpo, mais do que as vestes? Observai as aves do céu: não semeiam, não colhem, nem ajuntam em celeiros; contudo, vosso Pai celeste as sustenta. Porventura, não valeis vós muito mais do que as aves? Mt 6:25,26.
Devemos ressaltar que há muita confusão com respeito ao descanso em Deus. Descanso em Deus não significa vida de apatia, vida depressiva. O descanso em Deus exige uma firme decisão de crer e esperar NEle como provedor. Esse ato de fé requer coragem e ousadia. É na verdade uma tremenda obra de fé. É muito mais fácil sair tentando ganhar a vida pelas nossas próprias forças, do que abrir mão de nossas obras que são na verdade expressão de independência e falta de fé. A pergunta que segue de maneira natural à maneira de pensar descrita acima é: o que é descansar em Deus? Se não é ficarmos parados, simplesmente esperando que ele faça as coisas, se não é sairmos fazendo aquilo que pensamos ser necessário, então, o que é?
Segundo o texto citado, confiar em Deus é viver como vivem os passarinhos. Eles vivem sem tentar controlar as circunstancias: não semeiam, não colhem, nem ajuntam em celeiros. Porque alguém semia, colhe e ajunta em celeiros? Para não ficar exposto a necessidades, para ter controle sobre as coisas, para não depender. Todas as vezes que perdemos o controle da alguna situação, ficamos expostos a uma necessidade, nos tornamos dependentes, a ansiedade aparece. A ansiedade então, vem como produto das tres coisas acima. É a fé na provisão de Deus que nos leva ao descanso. Fé em Deus significa viver de maneira dependente Dele, deixando Ele controlar as situações e levando nossas necessidades a Ele. Quando fazemos isso, nos posicionamos de maneira tal que Deus se torna a fonte de nosso descanso. Nao que fiquemos inativos, como alguém poderia pensar. Pense nos passarinhos, eles saem a busca de comida, constroem seus ninhos, alimentam seus filhotes. Nao são depressivos nem apáticos. Fazem tudo isso com muito canto e alegria. Porém nunca procuram ser independents, controlar as situações, nem procuram evitar de serem expostos à necessidaes diárias. MORAL DA HISTÓRIA: TENHA FÉ COMO UM PASSARINHO.
Pastor Joao Carlos

A FIDELIDADE DE DEUS – Josué 1:1A18

Moisés, meu servo, é morto; dispõe-te, agora, passa este Jordão, tu e todo este povo, à terra que eu dou aos filhos de Israel. Todo lugar que pisar a planta do vosso pé, vo-lo tenho dado, como eu prometi a Moisés, Josué Cap.1:2,3. Interessante é notarmos que o context dessa história nos fala da rebeldia do povo, e de como Deus executou juizo, fazendo toda a geração anterior morrer no deserto. Entretanto, a rebelião do povo não anulou as promessas de Deus para aqueles que foram fiéis. Isso por causa da fidelidade de Deus. Veja as declarações bíblicas da fidelidade de Deus nos textos que coloquei em negrito: a) Saberás, pois, que o SENHOR, teu Deus, é Deus, o Deus fiel, que guarda a aliança e a misericórdia até mil gerações aos que o amam e cumprem os seus mandamentos, Deut 9:1; b) Fiel é Deus, pelo qual fostes chamados à comunhão de seu Filho Jesus Cristo, nosso Senhor, 1 Cor 1:9; c) Todavia, o Senhor é fiel; ele vos confirmará e guardará do Maligno, II Tes 3:3; d) Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça, I Joao 1:9.
A fidelidade de Deus está relacionada com Seu caráter, Deus não mente e nem muda, seu caráter é santo. A bíblia ensina que ainda que sejamos infiéis, Deus é fiel. Por’em, ha um detalhe em tudo isso: a justiça de Deus. Deus é fiel, amoroso, mas também é justo. Assim sendo, ainda que Ele seja fiel quando somos infiéis, existe uma parte que depende de nós: tomarmos posse da sua fidelidade. Porisso, não pense que podemos sair por aí fazendo aquilo que bem entendemos, e só porque Deus é fiel as coisas ficarão bem pro nosso lado. Claro que Ele continua sendo quem É mesmo quando não somos quem deveriamos ser. Porém, para desfrutarmos de sua fidelidade necessitamos nos posicionar de maneira que possamos tomar posse daquilo que Ele tem para nós. Que insentatez é termos um Deus que já nos abençoou com toda sorte de bençãos e não desfrutarmos dessa nbenção que está esperando por nós: “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo”Ef 1:3.
Pr. Joao Carlos