INTERROMPENDO A CONVERSA – MT 17:1A8

O texto nos conta que Jesus levou seus discípulos Pedro, Tiago e João a um alto monte e foi transfigurado diante deles. Seu rosto se tornou resplandescente como o sol, e as suas vestes se tornaram brancas como a luz. Então aparecem Moisés e Elias falando com ele. Diante de uma cena impressionante como esta, Pedro não se contém e decide dar a sua opinião sobre o que deveriam fazer. Ele sugeriu: esse lugar está bom demais, vamos ficar morando por aqui mesmo. Vamos fazer uma tenda para Moiséis, outra para Elias e uma para nós.

Mesmo diante de um fenomeno tão extraordinário, Pedro conseguiu ficar concentrado em si mesmo, no seu entendimento de como as coisas deveriam ser feitas. Nem por um momento se deu conta de que a conversa de Jesus com Elias e Moisés deveria ser de um conteúdo extraordinário. Não havia nele nenhuma consciencia do sagrado, nenhum temor nem discernimento da razão pela qual Jesus o tinha trazido ali. Com uma total falta sabedoria, ele interrompe a conversa para expor sua idéia egocêntrica: aqui é o melhor lugar para construirmos nossas tendas. Na maioria das vezes somos exatamente como Pedro: não estamos interessado nos assuntos que ocupam a mente de Deus, queremos satisfazer nossos desejos egoístas.

Segunda a descrição do mesmo evento no evangelho de Lucas, eles conversavam sobre a morte de Jesus que iria acontecer em Jerusalém. A razão pela qual Jesus tinha levado Pedro, era para que ele ouvisse aquela conversa. Esse assunto era algo que estava completamente fora dos planos de Pedro. Ele tinha seu próprio plano para Jesus: Jesus deveria expulsar os romanos, se assentar no trono, então Pedro se assentaria ao seu lado. Essa muitas vezes é exatamente a situação que estamos vivendo: somos nós que fazemos planos em nosso favor e esperamos que Deus os execute. Deus é nosso servo e deve promover nossa glória. Voce está ouvindo os planos de Deus ou está fazendo planos para Ele?
Pr Joao Carlos Rocha

CONHECENDO OS MISTÉRIOS DO REINO – Mt 13:10a15

Quando Jesus começou a ensinar por parábolas, isso não fez sentido nenhum para os discípulos. Porque alguém que gostaria de divulgar sua mensagem, de repente começa a se comunicar de maneira incompreensível? Então perguntaram a Jesus: Por que lhes falas por parábolas? A resposta de Jesus foi relativamente simples: as coisas do Reino de Deus são escondidas de alguns e liberadas para outros. Mas por que essa discriminação? Será isso justo?
A discriminação que a princípio parece injusta é na realidade a maneira de estabelecer a justiça. Toda pessoa que estiver com seu coração endurecido para as coisas de Deus, que estiver ouvindo de mau grado as verdades do reino, que fechar os olhos para não ver e os ouvidos para não ouvir, o reino será apresentado como um mistério, e a menos que seja pessoalmente revelado por Jesus, ninguém entenderá. Essa não é uma discriminação, mas o estabelecimento da responsabilidade pessoal de cada um. Quem não quiser se converter a Deus para ser curado por Ele, nada entenderá de sua mensagem. Desa maneira até a oportunidade que tinham lhes será tirada.
Entretanto, se alguém estiver disposta a permitir mudanças em sua vida, os mistérios serão todos desvendados na sua presença. Assim, porque já tinham um coração voltado para seu Deus, lhes será dado ainda mais conhecimento do reino, para que tenham em abundancia. Eles entenderão aquilo que ouvirem, perceberam aquilo que verem, entenderão as coisas com o coração e serão curados por Deus.
Deus respeita a responsabilidade pessoal, e nos dá segundo nossa escolha. Qual está sendo nossa escolha em relação as coisas de Deus?

Pastor Joao Carlos

NO ALTO DO MONTE

Diz a Biblia em Mateus 5:1 que Jesus subiu ao monte com seus discipulos e começou a ensiná-los. Interessante que o registro dos ensinos de Jesus nos capítulos 5,6,7 nos mostram que hácoisas que devem acontecer em cima do monte e há outras coisas que devem acontecer depois que descemos o monte. As coisas que acontecem no alto do monte podem ser divididas em 2 grupos: a revelação de quem somos, e a revelação de como devemos fazer as coisas. E a sequência é muito importante; temos que ser antes de fazer. O que somos vem daquilo que a bíblia chama de “homem espiritual”, isto é, vem pela obra do Espírito Santo que produz seus frutos em nós. Esses frutos refletem o que somos em nossa nova natureza, depois que nacemos de novo e nos tornamos novo criatura. Essa nova natureza tem prazer na lei do Senhor, Salmo 1:2, medita nele de dia e de noite, e a cumpre por amor e não por obrigação.
Como devemos fazer as coisas está descrito nos capítulos 6 e 7. A primeira coisa ensinada é que tudo o que fizermos deve ser feito para a glória de Deus, se a motivação for exaltar a nós mesmos, estamos perdendo tempo e não receberemos nenhuma recompensa. A segunda coisa que devemos fazer é manter nosso interior limpo, pois somos templos do Senhor. A terceira coisa é que devemos fazer é vivermos nossa vida focados nas prioridades de Deus, focados nos coisas do céu e não nas coisas da terra. A quarta coisa que devmos fazer é viver em dependência, com uma atitude de confiança irrestrita no Senhor, pois Ele é nosso provedor. E por último, devemos viver uma vida de oração, vigiando para nos mantermos no caminho certo, discernindo qual palavra vem de Deus e qual vem dos falsos profetas, e cuidando de maneira especial para não corrermos o risco de edificar sobre fundamento errado, o qual acabará em ruina.
Isso tudo deve ser recebido como revelação de Deus, e a revelação acontece enquanto estamos no monte com Jesus , significando nossa esta em comunhão particular e íntima com Ele. Depois que descermos do monte, deveremos começar a ministrar aos outros, pois então ja estaremos entendendo as bases corretas do trabalho do ministério.

Pr Joao Carlos