A CORRIDA DA FÉ
Hebreus 12: 1 a 11

Introd: Hebreus nos dá uma imagem da vida cristã como send um atleta que partica de uma  
corrida. É a corrida da santificação, a prática da vida cristã. Paula fala de sua própria  
corrida dessa maneira: “Irmãos, quanto a mim, não julgo havê-lo alcançado; mas  
uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que
diante de mim estão, prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus
em Cristo Jesus, Fil 3:13,14. É uma corrida longa, de resistência.

I – COISAS A CONSIDERAR NA CORRIDA, v. 1
    a – Considerar a assistência, os torcedores, um nuvem, v.1
    b – Considerar o abandono de bagagem inapropriada, v.1
    c – Considerar a proposta da corrida, a necessidade de perseverança, v.1
   
II – CORRER COM UMA IMAGEM NA MENTE, v. 2,3
    a – olhar para nossa fonte de inspiração, v.2
    b – correr pensando na razão pela qual Jesus correu sua corrida, v.2
    c – correr pensado que Jesus é o vencedor e a causa de nossa vitória, v.2
    d – correr renovando nossas forças em Jesus, v.3

III – ÁREAS DE TREINAMENTO PARA A CORRIDA, v.4 a 11
      a – Melhorar a resistencia contra o pecado, v.4
      b – Receber a correção do técnico, v.5
      c – A correção é para criar um vitorioso, v.6
      d – A correção é para estabelecer vínculos, 7-8

IV – A SUPERIORIDADE DO TREINAMENTO, v. 9 a 11
      a – Técnico muito maior,  ele é Deus, v.9        
      b – Treinamento para tornar participante da santidade, v. 10
      c – O fruto do treinamento é justiça, v.11

Conclusão: Essa corrida não pode ser ealizada nas nossas próprias forças nem pelas nossas próprias regras. Ela é uma corrida que vai além de nós, porisso nós corremos pelo poder e orientação de Deus.

Perguntas para Meditação
1 – Estou consciente do tipo de corrida que estou correndo?
2 – 2 áreas nas quais estou falhando em meu treinamento?
3 – 2 Coisas que farei para melhorar minha performance para a corrida.

COMO ESTÁ MINHA VIDA ESPIRITUAL – Ap. 3.14-22
            A Igreja em Laodicéia é uma das sete destinatárias das cartas que o apóstolo João escreveu, quando estava preso na Ilha de Patmos (Ap 1.9). É interessante a similaridade da condição espiritual daquela igreja, com o quadro que presenciamos na igreja evangélica na atualidade, vejamos alguns aspectos:
I – Primeiro aspecto: É uma mensagem de reprovação aos Laodicenses (v. 15-16).
a)    Jesus os reprova por sua mornidão espiritual.
a.1) Dá a entender que o crente morno é pior que o pecador sem Cristo (v.15).
a.2) Afirma que o crente morno será vomitado da sua boca (v.16).
b)    Jesus os reprova por serem orgulhosos (não precisam de coisa alguma) (v.17).
c)     Jesus os reprova por estarem iludidos (v.17b).
c.1) Pensam que são ricos, mas vivem uma profunda pobreza espiritual.
c.2) Pensam que têm visão espiritual, mas encontram-se cegos (Mt 15.14).
c.3) Pensam que estão revestidos da graça de Deus, mas estão nus espiritualmente.

II – Segundo aspecto: É uma mensagem de exortação aos Laodicenses (v. 18-19).
a)    Jesus os exorta a buscarem nEle a verdadeira riqueza, que é a espiritual (caráter aprovado, identidade) (v. 18).
b)    Jesus os exorta a buscarem nEle o revestimento da Sua graça (santidade) (v.18).
c)     Jesus os exorta a buscarem nEle visão espiritual para enxergar a Sua glória (v.18).
d)    Jesus os exorta para que se arrependam (v.19).

III – Terceiro aspecto: É uma mensagem de amor à Igreja (v.20-22).
a)    Jesus demonstra seu amor sempre pronto a se relacionar (v.20):
a.1. Eis que estou à porta e bato (Jesus está sempre pronto).
a.2. Se alguém ouvir a minha voz (Estar sensível ao Espírito Santo).
a.3. Entrarei em sua casa (Viver em nós).
a.4. Cearei com ele e ele comigo (intimidade).
b) Jesus demonstra seu amor nos fazendo vencedores (v.21).
c) Jesus demonstra seu amor através do Espírito Santo (v.22).

Conclusão: A Igreja que não busca os interesses do Reino de Deus está fadada ao fracasso, ao esquecimento e a indigência espiritual (pobreza completa).

PERGUNTAS PARA MEDITAÇÃO:
1 – Como estou lidando com a minha vida espiritual.
2 – Duas coisas que me impedem de avançar espiritualmente.
3 – Duas coisas que farei para crescer espiritualmente e ser fervoroso em Cristo.


MULTIPLICANDO A GRAÇA E A PAZ
2 Pedro 1: 1 A 8

Introd: O apóstolo Pedro nos diz que se já obtivemos a preciosa fé na justiça de Jesus, a graça e  
              a paz que Deus tem para nós devem ser multiplicadas no pleno conhecimento de Jesus
              Cristo.

I – MULTIPLICADAS PELO CONHECIMENTO DE JESUS, 1: 1 a 3
   a – O pré-requisito da multiplicação: ser justificado pela fé, v1
   b – Multiplicação se dá pelo conhecimento de Deus e Jesus, v2
   c – Só podemos multiplicar o que já nos foi dado, v.3
   d – Só podemos multiplicar se for para a glória e Virtude de Jesus, V.3

II – MULTIPLICADAS PELAS PRECIOSAS E MUI GRANDES PROMESSAS, 4
    a – Promessa nos tem sido dadas pela Sua glória e virtude, v.4
    b – Pelas promessas nos tornamos participantes da glória divina, v.4
    c – Pelas  promessas nos livramos das paixões que há no mundo, v.4

III -  O CAMINHO DA MULTIPLICAÇÃO, v. 5 a 7
     a – Pelas razões acima devemos reunir toda nossa diligencia para, v.5
     b – Associar nossa fé com a virtude, v.5
     c – Associar nossa virtude com o conhecimento, v.5
     d -  Associar nosso conhecimento com o domínio próprio, v.6
     e – Associar nosso domínio próprio com a perseverança, v.6
     f – Associar nossa perseverança com a piedade, v.6
     g – Associar nossa piedade com a fraternidade, v.7
     h – Associar nossa fraternidade com o amor, v.6

IV – SE ESSAS COISAS EXISTIREM E AUMENTAREM EM NÓS, v.8
     a – Nos tiram da inatividade, v.8
     b – nos tiram da vida infrutífera em Cristo, v.8

Conclusão: A parábola das dez virgens e dos talentos em Mt. 25: 1 a 30 nos ensinam que Deus nos responsabiliza pelo que Ele coloca em nossas mãos. O processo de santificação requer um fé operosa, ativa. Essa atividade, entretanto, deve ser baseada naquilo que Deus fez primeiro em nós, é a nossa resposta às ações de Deus.

PERGUNTAS PARA REFLEXÃO
1 – Quão consciente estou da  minha responsabilidade em multiplicar graça e paz?
2 – Quais as tres maiores coisas me me impedem de multiplicar a graça e paz?
3 – Dua coisa principais que farei para remover os obstáculos para a multiplicação.